quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Cadeira do Dragão


A cadeira do dragão foi um dos tantos métodos de tortura utilizados durante a ditadura militar do Brasil.
Era uma espécie de cadeira elétrica, toda feita de zinco.
Os torturados sentavam pelados e eram amarrados com cintas de couro. Eram amarrados fios em suas orelhas, língua, em seus órgãos genitais (enfiado na uretra), dedos dos pés e seios (no caso de mulheres).
As pernas eram afastadas para trás por uma travessa de madeira que fazia com que a cada espasmo causado pelo choque elétrico sua perna batesse violentamente contra a travessa de madeira causando ferimentos profundos.
A cadeira possuía um terminal elétrico, onde era conectada a um dínamo que gerava energia manualmente através de uma manivela usada pelo torturador. Esta máquina era chamada pelos torturadores de "pimentinha" e gerava uma voltagem em cerca de 100 volts com uma forte corrente elétrica de 10 amperes, era jogada água sobre o corpo completamente nu do torturado o que fazia com que a força do choque fosse elevada ao extremo. Era também comum a prática de espancar o torturado entre um choque e outro.

"Tinha prazer especial em amarrar as pessoas na chamada cadeira do dragão, que é uma espécie de troninho, de metal, molhado, onde os braços e as pernas são imobilizados, amarra-se um fio elétrico no pênis, outro na orelha e aí, em seguida, com uma maquininha, um dínamo, chamada de “pimentinha”, iam dando choques. Não é um choque que queima, não sei dizer se é amperagem ou voltagem. Depois de encapuzar a pessoa, o Capitão Ramiro jogava amoníaco sobre a parte frontal do capuz e apertava aqui na parte abaixo do queixo, de tal maneira que a pessoa ficava com aquele capuz bem colado no rosto. Ao mesmo tempo, Ramiro dava porradas, gritos, choques elétricos e jogava amoníaco no capuz — a pessoa ia respirando esse amoníaco. À medida que o choque elétrico se dá, se você estiver expirando, você não consegue inspirar, e se você estiver inspirando, não consegue expirar. Então, como os choques são dados aos trancos, você vai ficando com a respiração completamente descontrolada e esse amoníaco entra pelas suas narinas, invade o cérebro como se fosse uma batalha de espadas, uma coisa maluca, cortando seu cérebro de todo jeito — e você ali imobilizado, levando choques, porrada, gritos. Tudo isso arma uma situação que é como se fosse surreal, você já não tem mais noção de se é com você mesmo que está acontecendo, começa a ficar confuso, não há saída para aquilo, você está amarrado. "

12 comentários:

Anônimo disse...

era só coloca um bandaid q passa

Anônimo disse...

É anonimo...Graças à pessoas que sofreram assim vc hoje pode falar e postar o que quiser!!!
Muito bom seu comentario...

Anônimo disse...

Realmente , otimo comentario . Por isso que digo o pessoal nao valoriza , queria ver se fosse o mr anonimo engraçadinho tomando choques ali . --'

Anônimo disse...

Nossa que barbaridade naum sabia fikei sabendo tbm pelo uam novela do SBT AMOR E REVOLUÇÃO !!

Anônimo disse...

barbaridade é pouco isso se chama covardia

Anônimo disse...

É muita criatividde para se fazer o mal... impressionante. Pior que a câmara de gás...

Anônimo disse...

Nada no mundo pode justificar a tortura e o assassinato, mas vale notar que isso no Brasil foi exceção, e não regra, como gostam de mostrar os partidos de esquerda.
De toda uma geração de brasileiros que viveu os chamados "anos de chumbo", a esmagadora maioria desfrutou da vida, foi ao cinema, tomou cerveja, amou e ouviu Beatles & Rolling Stones. Apenas aqueles que tinham filiação a partidos de esquerda e confrontaram o governo é que amargaram perseguições e prisões ilegais.
Não digo com isso que fossem mal-intencionados, acredito que muitos eram verdadeiros patriotas e idealistas, mas os financiadores dos movimentos, treinadores e doutrinadores por trás dos panos eram governos estrangeiros da extinta "Cortina de Ferro".
E vale lembrar que muito se fala sobre o envolvimento dos EUA por trás dos bastidores do Governo Militar, mas era apenas parte de um cenário internacional, um capítulo da Guerra Fria que foi lutado dentro de nossa casa.
Foram momentos dramáticos e tristes, por isso volto a dizer que nada justifica a prisão, tortura e execução de pessoas. Mas em países onde não houve esse enfrentamento por parte do Estado, por anos ou até hoje tiveram partes de seu território controlado por milícias camponesas e guerrilheiros. No Peru e na Colômbia, por exemplo, parte de seus povos foi forçada a viver sob o jugo desses pequenos ditadores "companheiros".
Foi a ditadura de direita enfrentando uma tentativa de implantação de uma ditadura de esquerda. Um mal lutando com outro mal. Felizmente o mal menor venceu, e hoje vivemos numa democracia onde podemos debater livremente.

Ricardo Behrenger disse...

O canalha que escreve acima, óbvio que anônimo, vale-se de fingida neutralidade para defender, com ares de não estar defendendo ninguém, o indefensável, ou seja, o Regime de Exceção e toda a sua brutalidade. Como se uma pretensa "ameaça comunista" - que nunca se consumou em nenhum país da América do Sul, diga-se de passagem, e que só veio a existir em formato clandestino no Brasil em razão do golpe de estado, este sim criminoso e apoiado pela elite de sempre - justificasse a existência de animais da estirpe de Ustra e tantos outros covardões de caserna que hoje se escondem sob o anonimato. Que tomemos o exemplo da Argentina, e botemos todos esses criminosos de Estado ainda vivos atrás das grades! E que pulhas como o senhor anônimo aprenda a defender a democracia quando ela se valer de fato, isto é, quando cobrar a conta daqueles que lhe devem.

Anônimo disse...

GENTE QUE LEGAL! Hoje em dia seria legal utiliza-la nas cadeias para torturar TODOS os tipos de criminosos! Seria mais justo com todos.

CS disse...

Essa coisa que se aproxima um pouco de democracia, existente hoje em nosso país, que nos dá alguns direitos, entre eles a liberdade de expressão, nós devemos aqueles que foram torturados e mortos, covardemente, nos porões da (mal)ditadura, não aos que estão aí, posando de heróis, muitos pelegos, que se disfarçam de ex-perseguidos políticos p/ obterem indenizações do Estado (contribuintes) e conseguirem uma boquinha no falso governo dos trabalhadores, que se instalou com o falso camarada LULA. Aposto que entre esses, estão alguns que opinaram acima.

Anônimo disse...

Só quem era contra o governo, ladrão ou assaltante sentava nessa cadeira. lembro que os muros das escolas eram baixos não tínhamos tanta violência a policia militar passava tinha respeito crianças respeitavam os mais velhos hoje indo pela estrada um jovem de bicicleta falando no celular pelo acostamento quando desequilibrou buzinei para chamar a atenção fui respondido por um gesto obsceno se cai na frente do carro eu seria o culpado com certeza meus avos viveram na época da ditadura criaram seus filhos sem problema trabalharam com honestidade e agora qual cadeira seria para esse governo corrupto e essas fraldes sem fim seriam os mesmos que lutaram contra o fim da ditadura?

Anônimo disse...

Os torturados queriam roubar (O grande mestre Lula, José Genoíno, Dirceu, Dilma etc) os que torturavam estavam roubando e não queria concorrência. A matemática é logica vejam quantos são torturados todos os dias nos: hospitais (isto eu sei bem) nas escolas na procura de emprego, muitos chegam ao suicídio e ninguém comenta, por que?

Postar um comentário

Comentários dos leitores não refletem a opinião do blog.